Atualize-se com as principais informações do setor petrolífero

Novos estaleiros devem gerar 30 mil empregos

 

A indústria naval brasileira deverá gerar 30 mil novos empregos nos próximos dois anos. A projeção é do Sindicato Nacional da Indústria de Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval). Atualmente, o setor emprega por volta de 78 mil pessoas nos estaleiros em operação. Mas nos próximos dois anos, quatro estaleiros entrarão em operação, o que aumentará a oferta de mão de obra. Em entrevista à 'Agência Brasil', o presidente do Sinaval, Ariovaldo Rocha, disse que o setor prevê para os próximos dez anos “uma demanda firme e continuada por navios e plataformas de petróleo” no país. Segundo ele, o Sinaval aguarda a divulgação do Plano de Negócios da Petrobras 2014-2018 que, em sua opinião, deverá “trazer uma nova perspectiva de encomendas de plataformas em função do leilão do Campo de Libra, feito no ano passado, pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

janeiro/2014

Leia mais

mãos de equipe 2

​Janeiro, 2014

A iniciamos operação de terceiro terminal de Regaseificação de GNL.

Lançamos nesta sexta-feira (24/01), às 13h13, na malha de gasodutos brasileira, o primeiro gás regaseificado no Terminal de Regaseificação de Gás Natural Liquefeito (GNL), localizado na Baía de Todos os Santos, em Salvador, Bahia.

O Terminal de Regaseificação da Bahia (TRBA) tem capacidade para regaseificar 14 milhões de m³/dia de gás natural. Com sua entrada em operação, nossa capacidade de regaseificação de gás natural sobe de 27 milhões de m³/dia para 41 milhões de m³/dia, quase uma vez e meia a capacidade de importação do gás da Bolívia. Atualmente, também temos em operação os terminais de regaseificação de Pecém (CE) e da Baía de Guanabara (RJ) com capacidade para regaseificar, respectivamente, 7 milhões de m³/dia e 20 milhões de m³/dia de gás natural.

O GNL, importado de vários fornecedores em diferentes partes do mundo, destina-se ao atendimento da demanda do mercado nacional por gás natural. Seu propósito é dar maior flexibilidade e garantia ao suprimento, aumentando a segurança energética no País, condição fundamental para estimular novos investimentos.

Com investimento de cerca de R$ 1 bilhão, o TRBA é o terceiro terminal de regaseificação de GNL do Brasil. Integrante do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal, esse terminal começou a ser construído em 2012, foi concluído no prazo estabelecido e gerou 3.623 empregos diretos na região, registrando um índice de nacionalização de equipamentos e serviços da ordem de 90%.

Leia mais